Lançamento de livro é novamente destaque do Seminário da Vida da Arquidiocese de Curitiba

Por: Paulo Cesar Starke JuniorEm: Notícias


O livro “O EVANGELHO DA VIDA: diálogo entre teologia e bioética” será destaque no IV Seminário Arquidiocesano de Valorização e Promoção da Vida.

Livro O Evangelho da Vida

O livro de Mário Antônio Sanches, Rafael Cerqueira Fornasier, Evandro Arlindo de Melo e Luiz Fernando de Lima será lançado no evento que se realizará na PUC-PR no dia 09/10/2016 (para se inscrever clique aqui).

O obra se situa no contexto do diálogo entre Teologia e Bioética, com a consciência dos desafios da pesquisa e estudos interdisciplinares e é fruto do Seminário de Bioética organizado pela Comissão de Bioética da CNBB, realizado em Curitiba em 2015, por ocasião dos 20 anos da Encíclica Evangelium Vitae. Esta encíclica foi publicada por João Paulo II em 25 de março de 1995, e versa sobre o valor e a inviolabilidade da vida humana. Em 2015 a Encíclica completou 20 anos e, assim, se fez necessário uma avaliação do contexto da época da edição da Encíclica, identificar sua atualidade e identificar impactos e perspectivas futuras.

Para ver as palestras e mais informações do Seminário de Bioética realizado em 2015, clique aqui.

Nesta Encíclica, João Paulo II considera a bioética um dos sinais positivos dos nossos tempos: “Particularmente significativo é o despertar da reflexão ética acerca da vida: a aparição e o desenvolvimento da bioética favoreceu a reflexão e o diálogo – entre crentes e não crentes, como também entre crentes de diversas religiões – sobre problemas éticos, mesmo fundamentais, que dizem respeito à vida do homem”. A encíclica pretende ser uma reafirmação clara e firme do valor e inviolabilidade da vida humana e um veemente apelo a todos e a cada um para que respeitem, defendam, amem e sirvam cada vida humana, alertando que só desta maneira se encontrará justiça, progresso, verdadeira liberdade, paz e felicidade. Este amplo objetivo só será alcançado num clima de claro debate interdisciplinar, aprofundando o diálogo com a sociedade e desenvolvendo no âmbito das instituições religiosas uma postura crítica que possa inibir movimentos e perspectivas fanáticos e sectários e promova uma postura de abertura, crítica e dialogante. Deste modo esta obra busca ser um meio para que este amplo diálogo se efetive.